GASTRONOMIA

É enorme a riqueza e variedade da gastronomia portuguesa, especialmente tendo em conta a pequena dimensão do seu território. Esta cultura gastronômica foi sendo criada ao longo dos tempos pela influência dos povos que por cá passaram, sejam os romanos, os povos do norte da Europa ou os mouros, do norte de África. Mas também grande foi o contributo do intercâmbio cultural e a busca de novos produtos alcançada pelos portugueses nas suas descobertas do mundo e nas suas passagens por terras tão distantes como a Índia de onde trouxeram a pimenta, a canela, o açafrão e outras especiarias, o arroz e o chá do Japão, ou o café de África.

Portugal pode ser hoje considerado um destino gastronômico de referência onde é possível apreciar a cozinha tradicional portuguesa ou a cozinha moderna, em ambientes sofisticados (Portugal já conta com 14 restaurantes premiados com estrelas Michelin) ou nas célebres “tascas”. Mas não deixe de visitar e comprar nos tradicionais mercados.

Do Norte ao Sul e do interior do País até ao Oceano, poderá sentir as diferenças do receituário português e apreciar a frescura e o sabor dos peixes e mariscos, simplesmente grelhados ou cozidos, provenientes de uma zona ao longo de mais de 800 km de costa. Vai conhecer o gosto tão típico do bacalhau salgado e demolhado, que pode ser cozinhado, segundo dizem, em mais de 1001 maneiras diferentes, sempre com muito e bom azeite português. Mas também é obrigatório passar pelas carnes, de raças autóctones como a mirandesa, pela caça e pelos produtos de fumeiro como os enchidos e o presunto. Mas em Portugal também se comem muito boas sopas, de entre as quais, a mais conhecida é, provavelmente, o caldo verde.

Dedique também especial atenção aos queijos, especialmente os inigualáveis queijos de pasta mole como o queijo da Serra (amanteigado), o queijo de Azeitão e o de Serpa. Se preferir os curados, experimente o gosto fortíssimo do queijo picante de Castelo Branco ou o curioso efeito provocado pelo queijo da Ilha de S. Jorge (Açores). Acompanhe com pão, seja do Alentejo ou uma broa do Minho.

Reserve por fim um espaço para a doçaria, a conventual de preferência, onde os ovos e a amêndoa são o elemento principal. Não deixe de experimentar, sob qualquer pretexto, uma “trouxa de ovos”.

Vai ver que, depois desta inolvidável experiência gastronômica, vai ter saudades de uma “bica e pastel de nata” diários.

Marisco na “Cataplana”